prazersecreto

prazersecreto
muito prazer

sábado, 26 de janeiro de 2013

Enlouquecida de tesão

Era um dia normal como qualquer outro, entretanto naquele dia não tinha tantas tarefas em meu trabalho.Aproveitei o tempo ocioso para entrari na WEB e comecei a ver fotos de mulheres transando. Aquelas imagens começaram a mexer comigo e senti minha bucetinha ficando molhada, quente e cheia de tesão. Aquelas imagens tão excitantes estavam me deixando louca, até que decidir sair da empresa e dar uma volta no centro pra ver se arrumava alguma coisa que aliviasse aquele tesão que estava sentindo. Entrei no carro e ficava olhando as pessoas na rua, logo imaginava elas peladas e como seria transar com elas. Porem não encontrei nenhuma pessoa que me fizesse parar o carro e montar alguma estratégia de aproximação. Decidi ir até o Shopping. Passeando pelos corredores, dentro de uma Ótica vi uma mulher linda, loira, alta, corpo escultural, já com seus trinta e vários anos, seios grandes durinhos, enfim, maravilhosa. Logo me vi entre as pernas dela lambendo gostoso aquela bucetinha tesuda.
Fiquei por ali só a observando, quando ela saiu da loja, direcionou-se para a praça de alimentação que por sinal estava muito cheia. Pediu um café e conseguiu uma mesa para se acomodar. Pensei comigo, não tem nenhuma mesa próxima, como faria para me aproximar. Então resolvi comprar um café e fui indo em direção dela. Chegando lá perguntei se ela se importaria de me ceder um lugar a mesa, já que a praça estava lotada. Como imaginei, ela muito educada disse-me para ficar a vontade. Começamos a conversar e como não podia faltar falamos sobre beleza. Elogiei muito a elegância com a qual ela estava vestida e a quão bonita ela era. Acho que ela percebeu meu interesse, pois notei uma diferença no olhar dela. Agora percebia uma malicia em seu olhar, um certo ar de perversão, aquilo tudo estava me excitando ainda mais.
Conversamos por quase 1 hora, ai disse que teria que ir embora. Ela perguntou se eu estava de carro, senti na pergunta dela um certo interesse e sem pensar duas vezes disse que não. Então ela ofereceu-me uma carona, obviamente que aceitei. Fomos em direção ao carro e quando entramos, percebi que a blusa que ela vestia estava com duas casas de botões abertas e ao sentar a saia havia subido, deixando a mostra a renda da meia calça, não consegui disfarçar meu olhar para aquele decote , onde tinha uma visão panorâmica daqueles peitos limpos, minha boca já estava com excesso de saliva, louquinha pra entrar em ação. Ela arrancou o carro e perguntou-me para onde. Disse que eu estava adorando conhecê-la e que se fosse de vontade dela poderíamos ir a outro lugar mais a vontade para podermos continuar nosso cafezinho. Ela deu uma risadinha e disse que conhecia um lugar perfeito para continuarmos. Percebi que tínhamos entrado em uma rua onde tinha muitos motéis, nossa, pensei comigo, delicia, vou saciar meu desejo, chegamos na portaria e ela pediu um quarto, pegou a chave e entramos na garagem...
Entramos no quarto e não agüentei mais... Fui logo beijando aquela boca carnuda e enquanto a beijava ia deslizando minhas mãos por aquele corpo delicioso. Comecei a tirar a blusa, depois a saia, ela tinha um corpo maravilhoso, bronzeada com os pelinhos loiros, cheirosa, não agüentei e tirei o sutiã e a calcinha.... Nós ainda em pé roçando nossos corpos, num tesão enorme, desci com minha boca até aqueles peitos lindos e lambi gostoso toda superfície do seio, chupando o biquinho, ela gemia gostoso e ouvindo aquilo com mais tesão fiquei.
Encostei-a contra a parede e abri suas pernas.....A bucetinha dela era toda depiladinha, rosadinha e tinha um grelo enorme.... Comecei a passar minha língua bem úmida e quentinha sobre as laterais daquela buceta maravilhosa e via ela se contorcendo de tesão....Pedi que ela com mãos abrisse aquela buceta e deixasse a mostra aquele grelo enorme e delicioso, quando ela o fez, passei minha língua bem úmida por cima do grelo e fiquei fazendo movimentos circulares, nossa me deu muito tesão, ergui uma das pernas e enfiei minha boca naquele bucetão tesudo, ela ficava esfregando aquela buceta na minha boca e gemia feito uma vadia. Pedi que ela deitasse na cama e que arregaçasse as pernas que eu ia cair de boca , estava com a boca cheia de saliva, e soltei toda aquela saliva quentinha naquele bucetão aberto pra mim, lambi muito, passei vários vezes minha língua desde a ponta daquele grelo enorme até o cuzinho cheiroso dela, quando o grelo dela estava durinho feito um pauzinho, segurei ele com meus lábios e chupei, ela ficou louca e começou a tremer, não demorou muito vi o gozo dela escorrendo por aquele bucetão, passei minha língua, deixando tudo limpinho para a proxima. Após ter gozado ela disse que agora era minha vez, e pediu que eu viesse com minhas pernas abertas e sentasse na boca dela. Estava tão a vontade e com tanto tesão que sentei com minha buceta na boca dela.....Minha buceta estava molhada, meu grelo inchado e quase gozando de tesão, quando ela encostou aquela língua na minha buceta, nossa, que língua macia e quentinha, ela sabia muito bem como chupar um grelo, não me agüentei e comecei a esfregar minha buceta naquela boca maravilhosa, o tesão era tanto que me deu vontade de enfiar aquele grelão na boca de novo, fizemos um 69 e nos chupamos muito até que as duas começaram a tremer de tesão e gozamos juntas.
Este foi um dia muito especial e que eu curti muito, depois dessa vez, nos encontramos outras vezes e até ficamos com um cara, mas isto já é outra história...
acesse www.prazersecreto.com.br
creme anestesico anal extra forte

Irmã com muito tesão

Bem vindos ao meu relato, primeiro gostaria que todos soubessem que esse relato é verídico mesmo, pois sei que muitos são apenas ficção, mesmo assim todos são ótimos pois dão muito tesão, o ocorrido comigo foi o seguinte, minha irmã que aqui chamarei de Juliana, tinha um casamento meio falido e ela vivia triste com o marido que é 10 anos mais velho que ela,minha irmã tem 33 anos, ela é loirinha, uma bundinha que me enlouquece desde minha adolescencia, peitinhos durinhos pela sua idade, coxas grossas e é muito bonita de rosto, mas voltando o casamento ia mal e ela acabou se separando do mala do meu cunhado e veio morar em minha casa, moro com meus pais. Compramos outra cama de solteiro e ajeitamos tudo no meu quarto, no começo não gostei muito pois iria tirar minha liberdade, mas com o passar dos dias comecei a gostar porque a Juliana começou a ficar muito a vontade em casa, andando com roupas curtinhas, shortinhos colado na sua bundinha e aquilo começou a me deixar louco, eu tenho 28 anos, loiro, olhos verdes, até que sou simpático, já aprontei muito mas aquela situação estava me deixando com o pau duro todo dia, só pensave na minha irmanzinha, até que uma noite ela me pediu para fazer uma massagem para relaxar, concordei e ela foi primeiro tomar banho, quando voltou veio apenas de toalha, o meu pau ficou duro na hora, ela pediu para me virar e colocou uma calcinha e deitou na cama de bruços, quando virei quase tive um enfarto, sem a toalha só com aquela calcinha enterrada naquela bunda e os peitinhos amassados dando para ver de lado, era uma visão linda, mas era minha irmã e fiquei envergonhado na hora por ficar com tesão pela própria irmã mas a massagem começou nas costas e ela contando que deixou de viver com aquele chato do marido dela, ela falando e eu fazendo massagem prieiramente nas costas, então falei se podia fazer nas pernas e ela concordou, comecei pelo calcanhar e fui subindo bem devagarinho, quando cheguei nas coxas fiquei um pouco nessa região e ela falou: - Sabe mano vou de falar um segredo, o meu marido fazia uns 2 anos que deixou de ter ereção por um problema de saúde, acho que esse foi o maior problema da nossa separação. Eu não sabia o que falar e disse: - então você deve estar numa vontade e ri bastante. Ela riu muito e disse que estava mesmo, nessa hora os meu dedos estavam bem perto da sua bucetinha e senti que toda vez que passava perto ela dava uma suspirada, como eu estava decidido a tudo naquela hora brinquei com ela que aquela calcinha estava atrapalhando a massagem, e ela falou: -Então pode baixar ela, eu deixo afinal você é meu irmão mesmo. Na hora gelei, o meu pau estava uma pedra, é um tesão absurdo só quem passou por algo assim é que pode relatar, o proibido é demais, então desci a calcinha e aquela bunda maravilhosa estava na minha frente, quase que fui de cara naquela bundinha mas me contive, recomecei a massagem e comecei a elogiar o seu corpo e ela falou que nada adiantava pois não tinha ninguem para provar e riu muito, nessa hora os meus dedos encostaram na sua buceta e ela gemeu, pedi para ela afastar um pouco as pernas para melhor massagiar e ela abriu, então vi que ela se raspava, quase meti a lingua naquela buceinha raspada mas continuei, ela disse que estava muito gostoso, a partir daquele momento pensei ou é agora ou 'nunca, encostei o dedo no grelinho e esperei, ela nao mandou tirar e então comecei a massagiar ele, vocês nao imaginam o tesao que é sua prorpia irma ali deitada na sua frente nuazinha e você tocando na sua buceta, quase gozei dentro da bermuda com aquela cena e ela falou: - Maninho você está me deixando louca, como é bom, ahhhhhhhhh!!!!!!!. Não aguentei e tirei o meu pau pra fora e ela viu e quase segurou porque estva bem pertinho da sua mão mas ela se conteve, ainda havia um pouquinho de culpa eu acho, mas não dava mais pra voltar e nao aguentando mais de tesão tirei minha roupa e disse pra ela ficar de quatro para massagiar melhor e ela com um pocuo de vergonha creio eu , concordou mas demorou um pouco, mas falou:- Cuidado porque somos irmãos. e eu falei -Sei que somos irmão mas o tesão é de homem e mulher então relaxa e aproveita. Nessa hora comecei a brincar com om meu pau na sua bundinha esfregando em toda aquela maravilha e quando encostei no seu grelinho ela deu uma gemida muito alta e pedi que ela gemesse baixinho pois os nossos pais estavam na sala vendo tv, ela disse que tudo bem, sua buceinha estava pingando de tanto tesão, ela estava louca para que eu colocassae tudo de uma vez mas nao conseguia pedir, então eu de uma vez enterrei o meu pau naquela buceta quente e raspada, tive que segurar para nao gozar naquela hora, comecei um vai e vem bem cadenciado e ela adorando, segurava naqueles peitinhos e bombava na minha propria irma, era loucura mas estava ótimo, ela dizia algo assim: - Vai maninho tira o meu atraso, arregaça sua irmazinha, ahhhhh. Era demais, já trepei muito nessa vida mas nada se compara comer sua propria irma, pedi que se virasse e coloquei um trvesseiro embaixo da sua bunha e aquela buceta ficou toda abertinha pra mim, enfiei o meu pau de uma vez e ela me olhando com tesão, na medida que ia metendo fui descendo um pouco meu corpo e fiquei bem perto do seu rosto, e ela fez o que eu ainda estava com vergonha de fazer, se ergueu um pouco e me beijou na boca, foi o melhor beijo da minha vida, era demais enterrando o pau e beijando a minha propria irma, ela começou a gemer sem parar e disse : - Vou gozar, vou gozar, continua que vou gozar e deu um aperto no meu pau e gozou e até pensei que ia dar uma coisa nela, ela ficou tonta de tanto tesão, nao aguentando mais acelerei meu pau naquela grutinha toda encharcada e gozei como nunca, era tanta porra que escorria nas suas pernas, quase desmaiei de tanto tesao e cai ao seu lado, ela veio e me beijou e disse: - obrigado, tinha me esquecido como era gostoso. O meu pau nao amoleceu e comecei a passar a mao no seu corpo mas minha mae bateu na porta e chamou para jantar, foi dificil comer com o pau duro, tive que até disfarçar para meus pais nao verem, minha irma olhva para minha cara e mordia os lábios, eu adorava aquilo, bom caros leitores desculpe se o relato foi muito extenso mas queria contar realmente como foi, depois daquele jantar muitas coisas aconteceram mas deixa para o próximo relato.
creme anestesico anal extra forte
 

Tesão no clube

Eu e minha mulher resolvemos ir a um clube de swing para conhecer. Nao tinhamos intenção de praticar swing, apenas ver como era. O clube é um local muito bonito, musica legal e pessoas bem interessantes. Assistimos aos shows, muito bons e excitantes. Eu ja estava de pau duro e disposto a comer minha mulher ali mesmo, porem ela estava meio acanhada. Fomos conhecer as suites coletivas. Entramos em uma onde estava um casal e mais um cara fudendo. A mulher estava de quatro sendo fodida por tras e chupando o outro cara. ficamos olhando. Eu abracei minha mulher por tras e fiquei alisando os seios e a buceta dela. eu estava louco de tesao com aquela cena e senti que a Carmen, minha mulher tambem estva com tesão. Abri minha calça e tirei o pau para fora, levantei o vestido dela e fiquei esfregando o pau na bunda dela. Depois de um tempo nessa efregação eu falei pra ela tira o vestido. Eu logo tirei as calças e ela ficou so de calcinha. Eu por tras dela continuava esfregando meu pau na bunda e alisando os peiotos e a buceta, que ja estava ensopada. Nos aproximamos mais da cama e o cara que era chupado passou a mão nos seios da Carmen. Senti que ela se arrepiou com o toque. Eu aproveitei a tesão dela e tirei-lhe a calcinha e encaixei meu pau no meio da bunda dela. Disse pra ela se abaixar um pouco pra facilitar a penetração. Ela apoiuo-se na cama e eu meti na buceta por tras. Eu fui empurrando ela ate que ela ficou proxima da bunda da mulher que era fodida. Ela podia ver, bem de perto, o cara metendo na mulher. Ele metia devagar, tirava todo o pau e voltava a meter. A Carmen assistia a cena bem de perto. Eu falei pra ela quando ele tirar o pau pega nele. Ela ficou encabulada, pois o cara podia não querer. Mas chegou mais perto, estava quase tocando na bunda da mulher. O cara olhou pra ela e tirou o pau da buceta da mulher e mostrou pra Carmen e voltou a meter na buceta da outra. Fez isto algumas vezes, ate que a Carmen abriu a boca e ele enfiou o pau na boca da Carmen. Ela engoliu tudo que pode daquele pau. O cara ficou alternando, enfiava na buceta da mulher, tirva e metia na boca da Carmen. Eu ja estava louco de tesao, com aquela cena não demorou e eu gozei. A Carmen sentiu eu gozar e gozou tambem. Tirei o pau da buceta dela e ela sentou na cama e passou a mamar o car com mais vontade. Nisso o cara falou que ia gozar. a primeira ejaculada foi dentro da buceta da mulher e as outras foi na cara da Carmen. Gozou tudo e ficou esfregando o pau na cara dela. Ela lambia o pau dele e dava umas chupadas. Como a mulher ja tinha fodido bastante, ela saiu pro lado e o outro cara ofereceu o pau pra Carmen. Ela chegou perto a passou a lambe-lo e chupar. O cara disse que queria meter nela. Ela deitou de barriga pra cima e ele meteu na buceta dela. Enquanto metia ele lavantou as pernas dela, tirava o pau e esfrega no cuzinho dela. Como escorria porra da buceta dela, logo o cuzinho estava melado. Eu falei pra ela. Deixa ele comer teu cuzinho. Ela levantou bem as pernas e ele meteu, bem devagar no cuzinho da Carmen. Ela é acostumada a dar o cu pra mim. Foi fácil. Entrou com facilidade. A cena me deu tesao e eu meti meu pau na boca da Carmen. Ficamos fodendo um bom tempo assim. O cara avisou que ia gozar. falei pra ele gozar nos seios dela. Ele tirou o pau e se acabou nos seios da Carmen. Deixou os seios dela todo melado de porra. O outro cara que estva assistindo ficou de pau duro e disse que queria meter no cuzinho da Carmen. Ela levantou e ficou de quatro. O car foi por tras e meteu. Ficamos assistindo a foda dos dois. A Carmen gemia de tesao e gozo. O cara avisou que ia gozar. Falei pra ele tambem gozar nos seios dela. Ela virou de barriga pra cima e ele gozou nos seios. A Carmen adora sentir porra nos seios e ficar se esfregando com a porra. Nessa noite ela levou um banho de porra. Depois dessa foda nos vestimos e fomos ate o bar beber uma cerveja. Ficamos conversando sobre a aventura. Ela me disse que nao sabe como teve coragem pra fazer o que fez, mas sentia-se feliz, tinha gozado muito. Perguntei se queria voltar na suite pra mais uma foda. Os olhos dela brilharam de tesao. Esperamos um pouco e fomos ate outra suite. Nessa tinha um casal, apenas, fodendo. O cara tinha um pau, nao muito grande, mas era bem grosso. Carmen perguntou se podiamos participar. Com o sim do casal, ela tirou a roupa e deitou-se ao lado da mulher. Enquanto eu tirava a roupa o cara ja metia na Carmen. Eu deitei sobre a outra mulher e meti meu pau na buceta dela e passei a foder. O cara pediu pra Carmen ficar de quatro. Ela atendeu ao pedido dele. Ele meteu na buceta dela por tras, durante uns minutos e metia os dedos no cuzinho dela. Ela pediu a ele que metesse no cuzinho dela. Queria sentir aquele pau no cu. O cara encostou a cabeça no cu dela e foi empurrando. Eu aprei pra olhar. Quando entrou a cabeça, a Carmen deu um grito. O pau era muito grosso, mas o car empurrou o resto ate o fim. A Carmen gemia de prazer. O cara passou a foder com mais rapidez e força. Segurava ela pela cintura e metia com força. Eu aproveitei e meti meu pau na boca da Carmen e nos dois fodiamos ela. Eu sempre quiz fazer uma foda assim. nao demorou e o cara gozou dentro do cuzinho dela e logo eu enchi a boca dela de porra. Caimos exaustos. A mulher, depois ficamos sabendo era casada como cara, ficou massageando os seios da Carmen e ainda deu uma bela chupada nela. Nós dois ficamos olhando a Carmen ser chupada. Eu não tinha mais pau pra foder, mas o cara tinha. Ele levantou e disse que ia lavar o pau e ja voltava. Na volta deu o pau pra Carmen chupar e deixa-lo duro, depois passou a foder a mulher dele. Eu e a Carmen ficamos assistindo ate eles gozarem. Depois nos vestimos e fomos embora.
Foi uma noite muito gostosa. Surpreendente pra nós dois e muito tesuda.
Depois desta noite temos ido uma vez por mes no clube.
creme anestezico anal extra forte
 


Tesão de Transa

Olá leitores.
Desde que comecei a ler os contos eróticos desse site, eu descobri quão pobre era minha vida sexual com meu marido.
Sempre aquelas transas rapidinhas, debaixo dos lençóis, sem muitas preliminares e ele se virando para o lado e dormindo depois de gozar.
Pior ainda é que nos últimos tempos ele nem isso andava fazendo com regularidade.
As vezes ficávamos semanas sem transar.
Eu, apesar dos meus quase quarenta anos, ainda sou uma mulher atraente e fogosa, no sentido de que eu gosto muito de sexo.
Muitas vezes eu faço sozinha, embora sinta um pouco de culpa e vergonha.
Mas o fato é que quando começaram a acontecer os fatos que vou narrar aqui pra vcs, eu estava em brasa.
Meu corpo pedia outro corpo. Minhas entranhas se umedeciam com muita facilidade , só em ver um homem bonito de shorts ou sunga.
Quando íamos pra nossa casa em Ubatuba, depois de semanas sem transar com meu marido, eu ficava sentada na areia olhando os homens desfilando por lá e invariavelmente eu chegava em casa e me masturbava imaginando como seria bom ter um membro dentro de mim.
Nem pensava em procurar meu marido, pois ele ia pensar que eu era uma vadia. Imagine se ele permitiria isso............
Semana do carnaval resolvemos ir para a praia. Eu, meu marido, meus dois filhos e a namorada de um deles.
No segundo dia que estávamos lá, resolvi dar um passeio pela praia e caminhei em direção da encosta, onde existe uma pequena trilha por entre arvores.
Eu estava de biquíni e descalça, porisso resolvi não caminhar pela trilha, mas quando estava voltando para a areia ouvi gemidos fortes vindo da mata e resolvi olhar. Muito curiosa que sou, né....
Caminhei alguns metros na trilha e quando olho por tras de umas pedras que tem ali vejo um cara possuindo vigorosamente uma garota.
Ele devia ter uns 30 anos e ela pouco mais de vinte.
Ela se apoiava no tronco de uma arvore, em pé, com a calcinha do biquíni arriada até seu tornozelo e ele por trás, com a sunga no meio das coxas, metia com violência na xaninha dela.
Ela gemia e pedia mais e mais.
Minha xaninha ficou encharcada com aquela visão e minhas pernas amoleceram na hora.
Fiquei hipnotizada olhando a cena e vi quando ele disse que ia gozar e ela gritou pra ele não gozar dentro dela.
Ela virou, se abaixou abocanhando o pau dele que estava muito duro e inchado, e abriu sua boca para receber os jatos de porra.
Ele gozava e dizia que ela era uma putinha muito vadia e ela mamava e mamava o cacetão dele.
Foi uma loucura. Minha bucetinha até pulsava de tesão. Enfiei meu dedo dentro da calcinha do biquíni e comecei a me masturbar ali mesmo.
De repente sinto alguém me abraçando por trás e levo o maior susto.
Era um cara alto e forte com seus trinta e poucos anos que foi logo beijando meu pescoço e dizendo ia me ajudar com a punheta.
Logo enfiou seu dedo na minha xaninha e eu nem resisti. Meu tesão era muito pra tentar dar uma de mulher recatada.
Sentia seu pau roçando minha bunda por cima do biquíni e seus dedos brincando no meu grelinho.
Logo eu me apoiei num tronco de arvore tbem e ele abaixou meu biquíni e enfiou seu pau dentro de mim.
Começou a meter com vigor e eu gemia feito cadelinha. Quanto tempo sem um belo pau e agora sendo possuída por um estranho.
Arrebitei o mais que pude minha bundinha e ele socava seu cacete na minha buceta e me chamava de vadia e vagabunda.
Comecei a gozar e meu corpo se movia descontroladamente e ele me segurava e metia sem dó.
Eu falava que ele era um safado, um cachorro e quanto mais eu falava ele retribuía me chamando de puta sem vergonha e outros nomes.
Gozei gostoso no pau daquele estranho.
Quando me dei conta, o casal que estava fodendo quando cheguei ali estava ao meu lado observando eu ser possuída pelo cara.
Descobri depois que eram amigos e aquela moça era namorada do cara.
Eles estavam passando o carnaval numa casa ali perto e me convidaram a ir até la.
Disse que naquele dia não podia mas que no dia seguinte eu iria.
Fui até lá no dia seguinte e quando cheguei só estavam os dois. A garota estava na praia, segundo eles.
Não é que eles me agarraram ali e me foderam como eu nuca tinha sido fodida antes.
O máximo ter dois homens te comendo.
Chupei muito o cacete deles e até dei a bunda. Coisa que tinha feito somente uma ou duas vezes com meu marido logo no começo de nosso casamento.
Foi uma delicia. A semana toda fodendo com eles.
No ultimo dia até a namoradinha do cara participou e me chupou feito homem. Gozei com ela lambendo minha buceta.
Hoje estou mais calma, graças a semana do carnaval que passei em Ubatuba.
acesse www.prazersecreto.com.br
creme anestesico anal extra forte

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

PRESENTE DE NATAL

Há uns 4 anos, matriculei-me em um curso de pós-graduação na intenção de adquirir novos conhecimentos. Nessa época eu passava por um período não muito bom no casamento, com brigas constantes e pouco sexo. Logo na primeira aula percebi 3 loirinhas do mais alto nível (Gostosas, além de bonitas e bem cuidadas), mas duas delas se mostraram mais receptivas às minhas brincadeiras. Uma delas, Jú, era mais extravagante, falava alto como querendo se mostrar, entrava em todos os assuntos fazendo sempre observações engraçadas. Ela acabara de se formar em Economia e estava no auge dos seus 23 anos, esplendorosa, cabelos loiros muito bem tratados, unhas feitas impecáveis, bem vestida, funcionária de um órgão estadual que remunera muito bem, olhos castanhos claros e um sorriso fácil e encantador. Além da cor dos cabelos, o que mais me chamou a atenção foram os seus sapatos, usava sempre sandálias finas de salto alto, belas mesmo, como tem sapatos bonitos aquela mulher. Já nas primeiras aulas estávamos amigos, assim como um grupo que foi apelidado de diretoria, pois éramos os mais atiradinhos e porque os outros colegas sempre seguiam o que fazíamos. Como as aulas eram sempre nos finais de semana, sextas e sábados, terminada a aula o barzinho era nosso destino. Certo sábado Jú deixou seu carro no lavajato e esse não pode ser entregue ao final da aula, fazendo com que ela tivesse que voltar um pouco mais tarde para buscá-lo. Como estávamos indo a um bar tomarmos as de sábado, ela foi comigo e depois a traria de volta para buscar seu carro. Ela me pediu pra passar antes na casa de uma amiga que havia convidado pra sair junto conosco, Janaine, uma morena de parar qualquer transito, só que ela morava muito longe de onde nós estávamos, e quando chegamos no bar marcado todos já haviam ido embora e também já era hora de buscar o carro no lavajato. No trajeto falávamos de tudo, mas principalmente dos elogios que eu fazia para a Janaine. Não dava pra não fazê-lo, ela realmente era demais. Tais elogios deixaram a Jú com ciúmes, percebido nas respostas e olhares que ela lançava em mim a cada palavra de elogio ou prosa que trocava com a Janaine. A certa altura da conversa Jú disse que tinha deixado o namorado e o que queria agora era beijar muito, se divertir. Ai eu me candidatei sem a menor esperança de funcionar a minha cantada, e pra minha surpresa deu certo, ela aceitou mas ficou só na brincadeira a não ser pelos olhares que ficaram assim meio sérios. Não deu pra fazer mais nada pois chegamos ao lavajato e ela pegou seu carro e foi embora, e como já estava um pouco tarde tive que ir pra casa tentar comer a minha mulher mesmo pra descarregar o tesão que deu com aquele papo todo. Semana seguinte minha esposa viajou para Caldas Novas com minhas filhas, e como eu tinha aula, fiquei pra ir no sábado no final da tarde. Depois da aula e de muitas brincadeiras me despedi e fui me aprontar pra viagem. Quando estava no posto de combustível abastecendo toca o telefone, era Jú me chamando pra ir a um barzinho. Recusei pois estava de saída para Caldas Novas, ela de bate pronto perguntou se não poderia ir comigo; surpreso perguntei se ela estava brincando e ela disse que não, que queria sim ir comigo. Duvidando ainda, perguntei se ela iria pra dormir comigo ou só pra passear, então ela respondeu que iria pra “dar” pra mim e passear ao meu lado. Meu pau ficou duro imediatamente, mas infelizmente tive que dispensar pois a esposa estava me esperando lá com minhas filhas. Ela disse que quando eu voltasse conversaríamos. Fiz uma viagem a jato, doido pra chegar e comer a minha mulher, tal era meu estado de excitação. Dei uma trepada na esposa como a muito não dava, ai veio a briga, pois ela desconfiada do meu tesão, disse que eu estava com rolo, essas coisas de mulher, ao invés de apenas aproveitar. Duas semanas depois lá estava eu novamente na aula, e lá estava a deuzinha da Jú, vestindo um vestido tipo japonês roxo (tenho foto aos incrédulos), toda combinando, cabelos escovados, linda. Neste dia, uma sexta-feira, depois da aula fomos ao Boiadeiro tomar umas (também tenho foto) e resolver o nosso caso pendente. Chegamos, ela sentou-se ao meu lado e já foi logo pondo a mão na minha coxa, passando a alisá-la em seguida até passar a mão no meu pau, que não há necessidade de dizer já estava estourando de tesão. Ficamos nesse negocio até a hora de irmos embora, mas ai tiveram uns desavisados que pediram carona pra ela, que desapontada não teve outra opção se não levá-los. Durante as semanas que antecederam a próxima aula ela ligava diariamente, falava que estava louca pra dar pra mim, e eu falava que queria comê-la de qualquer jeito, mas nunca dava certo. O tesão só ia aumentando, minha mulher apesar de desconfiada já estava gostando, pois a cada ligação da Jú eu carimbava a patroa. Era Dezembro, e no final do mês ela disse que iria passar férias em Porto Seguro, mas que antes de viajar tinha que resolver o nosso caso. Dia 24 de dezembro ela me ligou por volta do meio dia e meia dizendo que queria almoçar comigo, e que tinha que dar certo de qualquer jeito e que ela já estava me esperando, e não era para eu demorar. Saí na expectativa de poder realizar o meu desejo de comer aquela deuzinha, o pau já não cabia nas calças, chegava a doer de tão duro. Chegando lá ela estava me esperando no holl do prédio com uma mochila nas mãos, eu desentendi, pensei: será que não é hoje?! Ela entrou no carro e pediu antes de me dar um beijo pra sairmos logo dali. Engatei e fui embora, seguindo para um restaurante indicado por ela, próximo ao Serra Dourada. No caminho notava que ela estava tensa, falava muito e não me pegava o pau, o que ela já costumava a fazer até na sala de aula. Chegando próximo ao restaurante ela perguntou se eu não gostaria de ir a um motel ali perto, onde a comida também era boa e nós poderíamos ficar mais a vontade. Proposta aceita na hora. Chegamos ao motel ela desceu do carro com a mochila nas mãos e disse pra eu esperar e entrar depois. Passados quase 10 minutos de total agonia ela me chama. Entrei no quarto do motel e tive uma das melhores visões que já tive na vida. Ela estava deitada na cama com os braços abertos e as pernas levemente cruzadas, vestindo um modelito de mamãe-noel, com gorro e sandália scarpã vermelha de salto bem alto. A visão foi acompanhada pela frase:

- Vem buscar o seu presente de natal!!!

Eu não sabia nem por onde começar, despir aquela mulher seria um pecado, ela estava linda daquele jeito, mas como nessas horas a gente pensa pela cabeça de baixo... fiquei de frente pra ela, tentando manter a calma, olhei-a mias um pouco para guardar bem aquele momento e escutei:

- Tira a roupa.

Aquilo soava como ordem, me despi e comecei a beijar seus tornozelos, subindo beijei suas pernas, joelho... e as “coxas”, que coxas, lisinhas, nenhuma marca, pelos pequenos e loirinhos, pele aveludada, macia, cheirosa, como se diz no jargão popular, um coxão. Passei o meu peito por toda a extensão das coxas e senti encostar o meu pau em seu sapato, estava babando tudo la embaixo, meu tesão era tanto que meu pau pingava. Voltei a atenção para o meio de suas coxas, de onde exalava um cheiro gostoso de mulher, e percebi que o tecido do collant que ela usava estava encharcado, não deu outra, cai de boca no collant mesmo, suguei forte passando as mãos por trás de seu corpo e puxando-a de encontro ao meu rosto. Nessa hora ela com uma das mãos afastou o collant e eu pude sentir na ponta da língua todo o sabor daquela mulher. Lambe-la era por si só um prazer, mas quando coloquei os lábios e dei a primeira sugada ela com as duas mãos segurou a minha cabeça afundando em sua virilha, entrelaçou as pernas nas minhas costas e gozou tremendo-se toda, e aos poucos a pressão das pernas trêmulas foi abrandando e eu pude respirar, pios já estava quase sem fôlego quando ela me soltou, tal foi a força com que ela me segurou. Respirei aquele odor de buceta encharcada e continuei chupando bem devagar e dando uns beijinhos até ela se relaxar por completo. Meu pau estava doendo de tanta vontade de penetrar aquela bucetinha linda, cuidadosamente depilada, com apenas um pequeno triângulo acima do grelhinho, onde rocei o queixo antes de subir beijando até o umbiguinho, sendo acompanhado por suspiros e grunhidos baixinhos que ela fazia enquanto se contorcia. Subi beijando e nordiscando de leve até chegar aos generosos seios, alisei com as mãos ate as alças do collant e segurando-as com os dedos, afastei e as puxei para baixo, desnudando e deixando a mostra seios róseos com bicos médios. Ela se ajeitou na cama para descer a fantasia de Noel até a cintura e eu, com as duas mãos nos seus seios, deixei meu corpo cair sobre o dela e afundei o rosto no meio deles. Cheirei, lambi, beijei, mordisquei, apertei e senti que ela, com a ponta e o peito do sapato acariciavam o meu pau fazendo movimentos laterais com o pé direito, alisando o corpo do meu pau e as minhas bolas. Esfreguei meu peito sobre o seu corpo e dirigi o cassete ate a entrada de sua xaninha enquanto lhe beijava a boca seca de tanto suspirar. Ela passou a mão nos meus cabelos e levou-as ate meu pau colocando-o no rumo certo, fazendo com que ele abrisse os seus grandes lábios. Soltou me pau e abraçou-me as costas dizendo:

- Mete...

Empurrei o pau naquele buraquinho, deslizou com certa dificuldade, o que me fez sentir mais vontade de meter, pois era apertadinha a danada da buceta, envolveu todo o meu pau, podia senti-la toda em volta do cassete. Ela começou um movimento lateral bem devagar, como se girando o quadril em volta do meu pinto, fazendo movimentos ou contrario do dela eu comecei a bombar. A testa da buceta dela batia na minha pélvis e ela pediu mais força.

- Vai amor, bate com força...

Foi ai que eu percebi que estava metendo e parei de prestar atenção nos detalhes mínimos e passei a literalmente martelar aquela buceta. E como judiei dela, ela estava cada vez mais com a face contorcida, um sofrimento que escapava no canto dos lábios em uma terna mordidinha nos lábios e ela se derreteu em gozo.

- Ohh, amor vem, vem... ohh, oohhhhh... vem amor vem...

Não tinha outra escolha, não comandei mais meu corpo e me desvaí num prolongado gozo, meus braços começaram a tremer e eu praticamente desfaleci em cima dela. Permanecemos assim por um bom tempo e fomos tomar um banho e pedir o almoço. Já passava das três horas e a fome e a cede já se apresentavam. Abrimos uma garrafa de vinho Cello Lambrusco, e fomos para a banheira. Entre um gole e outro ela massageava o meu pau, brincando com ele. Ela já não se mostrava preocupada, estava pelo contrario bastante a vontade, e com um belo sorriso no rosto me abraçava apertado e me beijava demoradamente enquanto masturbava o meu pau. Com toda essa atenção meu cassete se manifestou novamente. Sentei na beirada da hidro e ela se posicionando no meio das minhas pernas segurou o meu pau com as mãos e foi calmamente colocando-o na boca, passava a língua desde as bolas até a cabeça, abocanhando-a e sugando como se fosse um sorvete enquanto com a mão alisava meu saco. Quando meu pau estava pulsando em sua boca ela o apertou com uma das mãos, olhou pra mim e disse:

- Coloca esse gostoso no meu cú!

Sai da hidro e pedi que ela colocasse o sapato, deitei-me na cama e ela veio por cima, sentou-se no meu peito com um ky na mão, lambuzou a mão e passou no meu pau. Entregou o ky pra mim e pediu:

- Passa ai também... (no cuzinho rosado dela).

Esparramei um pouco no cuzinho rosado dela e com os dedos espalhei em volta dele e delicadamente enfie um dedo, nessa hora só escutei o iiififff que ela deixou escapar. Enquanto isso ela me masturbava a rola apertando bem a mão. Passei mais um pouco de lubrificante e tornei a enfiar-lhe o dedo. Ela se levantou rapidamente e de cócoras foi descendo.

- Não agüento mais... Disse ela posicionando meu pau na entrado do rosado cú.

A visão daquele traseiro de cócoras, com aquele sapato vermelho, ela toda molhada e o meu pau sendo pressionado na entrada daquele cu quase me fez gozar, só não o fiz graças ao serviço de cozinha que tocou a campainha para entregar o almoço.

- Nem mexe! Disse ela com cara de raiva pra mim.

Ela se levantou puta da vida, foi lá, buscou o almoço, deixou em cima da mesa e voltou pra recomeçar o que estava fazendo. Ela subiu na cama de frente pra mim, virou-se, e veio descendo aquela bunda com uma leve marquinha de sol, desenhada por um minúsculo biquíni, que mal dava pra tampar o cuzinho, os poucos pelos loirinhos e bem depilados em volta do cu lambuzado e pronto pra ser comido. Que visão. Ela foi descendo, pegou meu pau e apontou novamente pra entrada do paraíso, forçou um pouco, o bicho deu uma escorregada, ela corrigiu e sentou, sentou com tudo.

- Uhr... que delícia, como eu tava precisando disso.

Eu já tava vermelho, pois quando ela desceu de uma vez aquela bunda o meu doeu. Mas ela começou um sobe desse caprichado até seu cu se acomodar com o meu pau enfiado nele. Põe apertado nisso, eu sentia todas as curvas das pregas dela envolvendo meu pau. Ela parou de subir e descer, movimentou-se para o lado e ajoelhou-se, fazendo com que meu cassete fosse totalmente engolido por um cu que se fazia faminto. Ela apoio a mão esquerda na minha coxa e com a mão direita passou a massagear o seu grelo. A visão era de matar qualquer mortal, uma loira, de costas pra mim, com meu pau atolado ate as bolas num cuzinho pra lá de apertado, com os sapatos vermelhos virados pra mim. Segurei nos saltos e ela começou a se movimentar pra frente e pra trás se roçando em mim. Daí pra gozada não demorou. Me senti esvair as forças e porra dentro daquele cuzinho para o meu azar, pois ela ainda não tinha gozado e continuou os movimentos até gozar demoradamente, primeiro num grande espasmo, depois seguiram-se vários menores. Eu já tava roxo quando ela acabou a festa. Ela rodou o corpo em cima de mim sem tirar o pau de dentro, abaixou-se e me beijou.

- Acho que a comida esfriou...

Levantamos, tomei uma ducha rápida e encontrei-a sentada a mesa já almoçando, mas ainda toda melada.

- Uhe, não vai se lavar não? Perguntei.

- Agora não. Vou ficar curtindo essa porra no meu cú até ela escorrer toda.

Depois de almoçar e de mais um tempo de amassos fomos embora. Depois do natal ela viajou para Porto Seguro passar as férias,
creme anestesico anal extra forte
 
 

Comi o cuzinho da minha namorada como presente de aniversário

Olá amigos estou de volta. Em um dos meus contos disse que tinha tirado o cabacinho do cuzinho da minha namorada e que contaria para você, pois então vamos ao conto.

Sempre fui de cair na gandaia, principalmente atrás de mulher. Eu adoro mulher e sexo e isso ninguém tira de mim. Acontece que atualmente estou namorando e pelo jeito me dei bem pois ela também gosta de sexo. Aqui vou chamá-la de Di para preservar sua identidade. Sua estatura é baixa e dona de seios grande e bonitos, sua bundinha branca e durinha. Transamos toda semana. No começo era só o tradicional papai e mamãe mas feito com muito caprixo. Seu boquete é maravilhoso e isso me leva a loucura pois ela engole todo o pau e chupa bem gostoso a cabeçona. Já estamos juntos a cinco meses e não me arrependo de ficar os finais de semana com ela. Di mora sozinha, solteira, não tem filhos e tem 32 anos o que facilita nosso namoro.

No primeiro mês nossa transa era comum só depois comecei a avançar um pouco mais. Como sou louco por bundas não poderia deixar de tentar comer o cuzinho dela. Certa noite com a bundinha virada para meu lado na cama arrisquei encostar o pau e encoxar bem devagar Di acorda e recua. Numa das nossas transa esfreguei a cabeça da pica no rabinho dela e mais uma vez ela recuou.

Para se conseguir comer uma bundinha é preciso paciência pois se for com muita sede ao pote corre-se o risco de nunca mais conseguir. Nas transas sempre uma esfregada. Claro que a mensagem já foi dada. Até que certa vez ela me disse:

- Amor eu sei que você quer comer meu cuzinho mas tenha paciência que uma hora ou outra vou dar tá!

Aquilo foi uma esperança e só bastava esperar. Como tinha alguns filmes pornôs em meu quarto levei todos para sua casa e lá deixei. A maioria deles tinha cenas de sexo anal e isso despertou sua curiosidade. Depois de assistir alguns começamos a tentar mas era sempre em vão pois como estava apertada e por ser sua primeira vez recuava assim que a cabeça começava a entrar. Tudo bem deixei quieto.

No dia do meu aniversário (28 de maio) resolvemos chamar alguns amigos para um churrasco. Passamos o dia todo arrumando a casa e o lugar onde receberíamos nossos amigos. Como ainda era cedo fomos deitar um pouco. Di então pegou no meu pau a chupou deliciosamante. Chupou com vontade e desejo a ponto de me fazer gozar em sua boca. Era a segunda vez que gozava em sua boca. Di nunca me deixava fazer isso e agora permitia com o maior prazer. Ela limpa a boca e diz:

- Amô isso é só o começo a noite depois da festa vou te dar outro presente tá!

Os amigos chegaram e foi cerveja, música e muito bate papo. A festa estava agradável e num clima bem discontraído. Com o horário avançado os convidados foram se retirando.

Di foi para o chuveiro enquanto eu arrumava uma coisa aqui e ali. Fui tomar banho e quando entrei no quarto Di me esperava nuazinha. Meu pau logo deu sinal que gostava do que via.

Di pegou meu cacete, beijou a cabeçona e chupou ele todinho. Tirou da boquinha, me olhou e disse:

- Vamos continuar a festinha amor só que agora só nossa!

Di chupou meu pau como uma verdadeira profissional quando estava quase gozando ela parou e se posicionou de quatro levantando bem a bunda e diz:

- Vem amor coloca seu cacete em mim vem!                                                    

Quando me preparava para enfiar em sua bucetinha ela diz:

- Não amor é no cú esse é meu presente de aniversário para você gato!

Di falava e apontava com o dedo o cuzinho fechadinho e lindo que daqui a pouco eu estaria deflorando.

Feliz da vida peguei o gel na gaveta do guarda-roupa e passei na cabeçona do pau e no cuzinho tão desejado da minha namorada. Para deixá-la relaxada dava beijinhos e mordidinhas em sua bundinha.

- Vai amor coloca esse pau mas vai com jeito pois ele é virgem!

-Tudo bem meu anjo eu vou colocar com bastante carinho!

Encostei a cabeça e precionei.

- Aaaaaaaa...de-va-gaaaar...uuuiiiiii...iiiiissssoooo...

Quando a cabeça entrou fiquei admirado, como estava apertado.

- Aaaaaaiiiii...ssssssssss...que dooooor...

- Quer que eu pare Di?

- Nããããoooo amor continua, arregasse esse cuzinho logo!

Bombei devagar pois não queria machucá-la. Di então pede para ir mais rápido.

- Vai amor mais rápido, enfia até o saco, já que perdi o cabaço do cú mesmo arromba ele logo!

Comei a socar forte. Que cú apertado, gostoso.

- Isso Di que cú gostoso meu amor, rebola no meu pau vai, ssss...delicia de cú...

Soquei sem dó. Já que era desejo dela atendi obedientemente. Sempre comi bundinha mas um cú igual o dela nunca. Apertadinho e delicioso. Sugeri mudarmos de posição mas ela foi taxativa.

- NÃÃO eu quero de quatro igual as putas do filme. Arromba bem gostoso esse rabo vai. Se elas aguentam porque eu também não posso aguentar um pau no cú?!

Socava até o saco no cuzinho da minha namorada.

- Aaaaaaaiiiiiii...uuuuuiiiiii...sssssss...arregaça esse cú safado, vaaiiii...iiiiiiiiiiissoooo!

Meu saco já batia na bucetinha dela e a rola por sua vez inteirinha dentro do rabo da minha namora. Sua expressão de dor e desejo me deixava louco e tarado por aquele cuzinho não mais virgem. Não aguentando mais segurar o gozo anunciei que iria gozar.

- Di vou gozar, vou gozar, vou, vou, aaaaaaaaaa...

Gozei toda minha porra dentro do cú dela. Di rebolava e gemia de prazer.

- Isso amor enche meu cuzinho de leitinho vai, isso, issoooo! Você não queria esse cú, não queria, agora é seu meu amor!

Quando tirei o pau vi o estrago feito. Estava arrombado e com um pouco de sangue. Di correu para o banheiro e voltou me mostrando o papel higiênico com sangue:

- Nossa amor até sangue saiu dá uma olhada!

- Di abrigado pelo presente, que cuzinho gostoso!

Ela sorriu e com olhar de safada disse:

- Agora que perdi as pregas do cuzinho vou querer outras vezes tá. Doeu mas foi gostoso. Você merece meu amor!

Deitamos para nos recompor até o segundo tempo mas desta vez na bucetinha pois o cuzinho não aguentaria outra foda. Estou muito feliz com ela e realizado. Se você amigo leitor ainda não conseguiu comer o cuzinho da sua namorada ou esposa vai com calma. Demorei para realizar meu desejo. Em primeiro lugar você precisa respeitá-la. É ela quem vai decidir a hora de dar o rabinho, não adianta forçar a barra. Claro que você deve mostrar a ela seu desejo. Não vai ficar esperando ela adivinhar que você deseja o cuzinho dela né.